'Mineiros choraram muito', diz psicólogo do resgate no Chile'

Máquina perfuradora chegou neste sábado (9) ao local onde eles estão.
Os 33 trabalhadores presos são 'tesouro nacional', diz Alberto Iturra ao G1




“Claro que eles choraram muito”, disse o chefe da equipe de psicólogos que acompanha os 33 mineiros presos no Chile, Alberto Iturra, quando questionado sobre como estava o estado emocional dos trabalhadores após terem sido alcançados por uma das máquinas perfuradoras neste sábado (9). “Eles estão muito felizes e emocionados. Todos têm a mente sã, não precisam de terapia nem de remédios.”
A manhã foi emocionante no acampamento Esperança, onde estão as famílias dos mineiros. Às 8h05 da manhã, soou a sirene que indicava que uma das máquinas que perfura a região da mina havia chegado no local onde estão os trabalhadores – 32 chilenos e um boliviano. Eles estão desde 5 de agosto embaixo da terra, em um abrigo a 700 metros de profundidade.
O procedimento agora é decidir se o resgate ocorrerá após o revestimento de parte ou da totalidade do poço cavado, ou ainda se será realizado na rocha bruta. Segundo as autoridades, isso deve demorar cerca de três dias.“Eles são um tesouro nacional”, disse Iturra em entrevista ao G1. “Temos que observar tudo nessa reta final e cuidar para não deixar passar nada. Seguiremos com o trabalho e manteremos a rotina de conversas com a família, entretenimento, tudo.”