Presidente do PSDB diz que não vai pagar contas deixadas por Expedito


publicada em 28-10-2010 às 08:41 / Autor: Rondonoticias / Rondoniainfoco
Enquanto o caldeirão da política ferve em busca de eleger o governador de Rondônia nesse segundo turno, no próximo dia 31, no PSDB da capital tudo parece estar se transformando em cinzas.
No duelo que se trava nas hostes tucanas, de um lado está o presidente da agremiação, Aparício Carvalho e do outro o ex-senador Expedito Júnior, candidato derrotado da legenda ao Governo do Estado e recentemente cassado por compra de votos.

O motivo da ira do dirigente partidário contra o ex-senador, segundo revelam fontes, dentre outros assuntos, primeiro é a flagrante desobediência diante da sua autoridade como presidente da agremiação tucana.
Segundo, é que Aparício Carvalho, considerado um homem que honra em dia seus compromissos, não agüenta mais ser cobrado por dezenas e dezenas de formiguinhas na sede do partido, que não teriam recebido seus pagamentos pelos serviços prestados durante a campanha eleitoral.
Carvalho, revelou a fonte, não se conforma de ter sido jogado na lona por Expedito Júnior, no último embate que tiveram, quando Júnior, de forma rebelde e independente, decidiu por conta própria apoiar o candidato do PMDB, Confúcio Moura-PSDB, ao Governo, contrariando a orientação da nacional de apoiar o governista João Cahúlla-PPS.
Desfeiteado, Aparício Carvalho então expediu nota pública em nome do PSDB, alertando Júnior para não tomar nenhuma atitude desse nível, sob pena de ser expulso da agremiação. Mas a nota, segundo uma fonte, teria sido rasgada por Expedito e jogada no lixo.
Por conta disso, de acordo com esse interlocutor, o presidente tucano teria feito uma reunião para avaliar que pena seria imposta para estancar a rebeldia de Júnior, mas que teria sido voto vencido diante dos demais membros do diretório.
Vendo-se desmoralizado no seu intento, em tom de desagravo Aparício teria decidido, então, oficializar de uma vez por todas o fato de que nem ele nem o PSDB se responsabilizariam pelos compromissos assumidos por Júnior durante a campanha e, aí, o caldo entornou de vez.
Na visão de Aparício, segundo revelou essa fonte, não havia a menor necessidade de Júnior ter feito o estrago que fez: alugou dois aviões para sua campanha, fez muito barulho, para impressionar os adversários, mas no final não foi capaz sequer de pagar as “formiguinhas”, que em geral ganham salário mínimo para trabalhar de sol a sol levando a bandeira do candidato às ruas, noves fora outros calotes que ficaram pendurados no prego.
“As dívidas de Júnior (foto) são exclusivamente da responsabilidade dele, do seu CNPJ de candidato, e então devem estar incluídas em sua prestação de contas ao TRE, portanto o partido não tem nada a ver com isto”, teria esbravejado.
Por outro lado, ainda conforme a fonte, Aparício considera inominável a façanha protagonizada por que “Júnior” diante de seres humildes – suas “formiguinhas”, que em geral são pessoas simples que trabalharam, precisam deste dinheiro, fruto do seu suor, e não tem a quem recorrer.
A fonte finalizou revelando à reportagem que Aparício, amargurado com a situação, teria desabafado a um amigo muito próximo que considera de extrema crueldade a atividade de Júnior. “Esse garoto precisa ter mais responsabilidade. Não se pode brincar com a vida das pessoas”, teria revelado em tom de alerta. Já pensou se ele se elege governador do estado?