Iraquiano admite mentiras que desencadearam a Guerra do Iraque


Homem inventou que país tinha armas biológicas para derrubar Saddam Hussein
O homem que acabou convencendo o governo americano de que o Iraque escondia armas biológicas secretas admitiu, pela primeira vez em quase oito anos, que inventou a história que levou os Estados Unidos a invadir o Iraque, derrubar o ditador Saddam Hussein e a travar uma guerra que já dura sete anos.
O relato foi feito em uma série de encontros com o jornal britânico The Guardian na Alemanha, onde solicitou asilo. Rafid Ahmed Alwan al Janabi disse que reportou a um oficial alemão, que identificou como Dr. Paul, sobre supostos caminhões iraquianos que carregavam armas biológicas.
Segundo Al Janabi ao Guardian, o serviço de inteligência alemão (BND) o classificou como um engenheiro químico de Bagdá e passou a se aproximar dele em busca de informações privilegiadas sobre o Iraque de Saddam.

O iraquiano, na verdade, confessou que inventava histórias sobre armas de destruição e fábricas clandestinas só para desmoralizar o regime de Saddam, que o fez fugir do seu país por perseguição política, em 1995. Al Janabi acabou assistindo, “chocado”, que seu factóide foi usado para justificar a guerra.

- Talvez eu estivesse certo, talvez não. Eles me deram essa chance. Tive a oportunidade de fabricar alguma coisa para derrubar o regime. Eu e os meus filhos temos orgulho disso e estamos orgulhosos que eram a razão para dar o Iraque a chance de ter uma democracia.

Declaração marca discurso de Colin Powell


A revelação vem à tona pouco depois do 8º aniversário do discurso de Colin Powell nas Nações Unidas, no qual o então secretário de Estado dos EUA falou sobre a mentira de Al Janabi. Também marca a ocasião em que foi lançado um memorando do secretário de Defesa americano, Donald Rumsfeld, de que o Iraque não tinha armas de destruição de massa.

Como lembra o jornal britânico, as carreiras de ambos foram seriamente danificadas por terem dado crédito ao iraquiano. Ele agora diz que poderia ter sido - e foi - desacreditado bem antes do discurso de Powell na ONU, no dia 5 de fevereiro de 2003.
O Guardian cita que a inteligência britânica conseguiu desmentir Al Janabi e informou os alemães, mas os oficiais continuaram dando-lhe incentivo.

Serviço secreto alemão confinou iraquiano por 90 dias

Depois do discurso de Powell, o iraquiano conta que contatou o BND e acusou o serviço secreto de quebrar um acordo de que não iria partilhar qualquer coisa que havia dito com outro país. Ele acabou instruído a não falar e foi colocado em confinamento por cerca de 90 dias.

Os EUA atacaram o Iraque na noite do dia 20 de março de 2003. A ocupação, que dura quase oito anos, passou a ser reduzida a partir do ano passado, com o anúncio do presidente Barack Obama sobre a retirada de milhares de militares e a transferência da segurança para as forças locais.

Com a promessa dos americanos, Al Janabi disse que estava confortável com o que fez, apesar do caos dos últimos anos, que deixou quase 100 mil mortos civis.

Do R7